Domingo, 28 de Novembro de 2021
19°

Poucas nuvens

São João del Rei - MG

Geral Greve suspensa

Minas Gerais: Após a gasolina chegar a quase R$ 7,00 nas bombas, greve dos tanqueiros é suspensa

Movimento diz, porém, que ainda aguarda reposta do governo do Estado sobre alíquota do ICMS

22/10/2021 às 15h22 Atualizada em 22/10/2021 às 15h31
Por: Adriano Vianini
Compartilhe:
Correria e filas nos postos de combustíveis em todo o estado. Foto: São João del-Rei / Reprodução
Correria e filas nos postos de combustíveis em todo o estado. Foto: São João del-Rei / Reprodução

A greve dos tanqueiros foi suspensa pelo Sindicato das Empresas Transportadoras de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Minas Gerais (Sindtanque-MG), em menos de 48 anos do início.

O presidente do sindicato, Irani Gomes, anunciou a medida na tarde desta sexta-feira (22). “Após a sensibilidade das distribuidoras junto às transportadoras de combustível, eles resolveram suspender a paralisação até o momento, mas ainda aguardam uma posição do governo do Estado referente às alíquotas do ICMS”. 

A paralisação começou oficialmente à meia-noite de quinta e pegou postos de combustível e motoristas de surpresa. Como em outras greves neste ano, o Sindtanque-MG reivindica redução do ICMS cobrado pelo governo do Estado sobre os combustíveis e protesta contra os preços praticados pela Petrobras.

Eles se concentraram na porta de distribuidoras de combustível da Grande BH e, desde quinta, o movimento causou falta de combustível em alguns postos da capital e região, inclusive pressionando o preço da gasolina. O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados do Petróleo do Estado de Minas Gerais (Minaspetro) avalia que, com a suspensão da greve, o abastecimento dos postos deve voltar ao normal em 24 horas. "As bases estão abertas e os caminhões já começam a ser abastecidos normalmente", diz, por meio de nota. 

O governo de Minas ainda não sinalizou se terá reunião com os manifestantes. Mas, como em outras greves, afirmou que o preço elevado dos combustíveis não é devido à alíquota do ICMS, que não sofreu mudanças nos últimos anos, e sim à política de preços praticada pela Petrobras. 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias