Terça, 24 de Maio de 2022
13°

Poucas nuvens

São João del Rei - MG

Cidades Covid-19

Minas Gerais: Pico da Covid no Estado será 1º de fevereiro e queda brusca de casos deve ocorrer na sequência, diz secretário

Baccheretti afirmou que Minas está priorizando a abertura de leitos para combater a doença

24/01/2022 às 14h53 Atualizada em 24/01/2022 às 15h25
Por: Thais Marques
Compartilhe:
Secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. Foto: Agência Minas/Divulgação
Secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti. Foto: Agência Minas/Divulgação

Em entrevista à Rádio Itatiaia no último sábado (22), o Secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais, Fábio Baccheretti, afirmou que o pico real de pessoas infectadas pelo coronavírus no Estado foi atingido nesta semana. De acordo com ele, o recorde de casos deve ocorrer até o dia 1º de fevereiro. A expectativa, no entanto, é que as contaminações caiam rapidamente até fim do próximo mês.  

“É uma tsunami, é uma onda muito alta que estamos vivenciado. A semana que vem deve ser a semana de maior número de pessoas se infectando e, da mesma forma que sobe muito rápido, cai também muito rápido. A expectativa é que meados de fevereiro, no final do mês, a gente esteja com o número de casos próximo ao anterior à onda que estávamos vivenciando”, explicou o secretário.

Novas restrições serão avaliadas  

“Conversei com o Jackson Pinto [atual Secretário de Saúde de Belo Horizonte] ontem, a gente sempre vai conversando para atuar de forma conjunta. O grande problema hoje não está no número de pacientes, que temos bem menos que março e abril do ano passado. O problema agora é a mão de obra. A Ômicron é capaz de infectar muitas pessoas ao mesmo tempo. Estamos com dificuldades de abrir leitos diante de uma demanda que não é tão grande como já foi anteriormente. Na segunda (24), a Fhemig deve abrir 10 leitos de UTI pediátrico, o Júlia Kubitschek está se movimentando para abrir mais leitos, mas podemos dizer que as pessoas já estão infectadas. É esperar parte delas irem aos hospitais", detalhou Baccheretti.

Ainda conforme o secretário, Minas está priorizando a abertura de leitos neste momento da pandemia.

“A gente vê com preocupação, mas o momento de fazer qualquer medida para evitar infecção já passou, porque agora é o paciente que vai chegar. Nossas ações são muito mais na garantia de leitos, que estamos com ocupação no estado de menos de 30% de UTI e fazer um grande esforço nas próximas três semanas para atender essa demanda, que vai aparecer aumentada. Daqui a pouco, a gente vê a queda dos números acontecer. Lembrando que o paciente vem depois da infecção, cerca de uma semana depois. Viveremos duas ou três semanas difíceis. Temos bem menos pacientes e bem menos óbitos do que ano passado, mas é um motivo de preocupação”, reforçou.

Carnaval e futebol

“O Carnaval me preocupava menos que o Réveillon, porque tinha uma variante nova, as pessoas se reunindo, então Carnaval vira um estigma por ser uma festa com o grande número de pessoas. Mas não podemos incentivar uma aglomeração muito grande. Está muito cedo para se pensar em um Carnaval como era antes da pandemia. Os jogos, a nossa preocupação, que fiz a reunião com a Federação Mineira de Futebol (FMF) é exatamente nas próximas duas semanas, que é onde ocorre o pico. Nossa preocupação é de 60 mil pessoas se movimentando em transporte público, em volta dos estádios e nós iremos avaliar no começo de fevereiro, quando os indicadores devem começar a cair de incidência, para ficarmos mais tranquilos no retorno seguro dos jogos com a capacidade total”, concluiu Fábio Baccheretti.

Coronavac para crianças

Durante a entrevista Fábio Baccheretti, detalhou ainda como será o processo de aplicação das 400 mil doses da Coronavac para imunizar crianças e adolescentes de 6 a 17 anos no estado. O anúncio foi realizado no último sábado (22) pelo governador Romeu Zema (Novo)

De acordo com Baccheretti, Minas já estava aguardando uma ação federal com as doses já estocadas. A expectativa é que, em fevereiro, todas as crianças até 11 anos estejam imunizadas.

“A Coronavac só podia ser utilizada em adultos e a Pfizer em adolescentes. A gente tinha essas doses aguardando alguma ação, e, com a autorização da Anvisa para 6 a 17 anos, a gente possui garantia de 200 mil crianças com duas doses para vacinar a curto prazo. Estamos na expectativa de receber mais doses da Coronavac. O governo federal tem cerca de 6 milhões, o Butantan tem mais 7 milhões para oferecer e nossa expectativa é que, em fevereiro, a gente possa vacinar toda criança de 5 a 11 anos, junto com a Pfizer que também está chegando com a primeira dose”, disse o secretário estadual de saúde.

 

Com informações: Rádio Itatiaia*

Faça parte e ajude o Mais Vertentes

Precisamos de você para seguirmos independentes, investigativos e fortes. Ajude-nos com o jornalismo que nasceu para cutucar e mudar. Ou vai continuar lendo só o que os poderosos querem que publique? 

Ajude aqui o Mais Vertentes!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias