Quarta, 25 de Maio de 2022
12°

Poucas nuvens

São João del Rei - MG

Cidades Bola Murcha

São João del-Rei: Prefeitura adquire bolas de basquete superfaturadas de empresa investigada pelo MP do Rio de Janeiro

Compra no valor de quase R$88 mil foi realizada pela Secretaria de Educação. A empresa está sendo investigada pela mesma venda com sobrepreço no Rio de Janeiro

28/04/2022 às 13h19 Atualizada em 28/04/2022 às 18h52
Por: João P. Sacramento
Compartilhe:
Imagem ilustrativa. Foto: Internet / Reprodução
Imagem ilustrativa. Foto: Internet / Reprodução

A Prefeitura de São João del-Rei, por meio da Secretaria de Educação, adquiriu 200 bolas profissionais de basquete por quase R$88 mil de uma empresa de Três Corações, que já está sendo investigada por superfaturamento na venda de material esportivo, no estado do Rio de Janeiro.

A compra foi realizada no dia 29/12/2021, quando a pasta ainda estava sob o comando da ex-secretária de Educação, Cíntia Leite. Foram compradas 100 bolas profissionais de basquete adulto com valor de R$ 437,67 por unidade, além de outras 100 bolas de basquete feminino adulto com o valor de R$ 438,37 por unidade.

Imagem: Reprodução / Redes Sociais

A denúncia partiu do vereador de São João del-Rei, Professor Leonardo (PSDB), em suas redes sociais. De acordo com ele, “em meio a denúncias de escolas do município com estruturas precárias, muitas, inclusive, sem quadra de esportes, é controversa a atitude do poder executivo e questiono o que seria, de fato, prioridade para nosso prefeito”.

Outro ponto levantado pelo vereador, é sobre o fato da empresa que venceu a licitação, WR Calçados Eirelli, de Três Corações (MG), já ser investigada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro pela venda com sobrepreço de até 500% de bolas de basquete. “Diante disso, estamos formalizando uma denúncia no MP de São João del-Rei e solicitaremos esclarecimentos dos responsáveis por essa negociação”, afirmou o Professor Leonardo.

Procurada, a Secretaria de Esportes de São João del-Rei afirmou que não houve envolvimento da pasta na compra superfaturada. “Esta denúncia é da Secretaria de Educação. Esta compra foi para materiais comprados pela Secretaria de Educação, para as escolas municipais. Não tem nada haver com a Secretaria de Esportes”, afirmou o Secretário de Esportes, Antônio Marcos do Nascimento.

Procuradas, a Secretaria Municipal de Educação e a Prefeitura de São João del-Rei não quiseram se manifestar sobre a compra. 

 

Imagem: Reprodução / G1

A denúncia no Rio de Janeiro

De acordo com o G1, a denúncia do UOL mostrou que bolas de basquete feminino vendidas pela WR Calçadas foram compradas pelo governo do RJ por mais de R$ 400 a unidade. Ainda segundo o G1, a empresa que fechou contrato com o estado não tem autorização para vender no atacado, somente no varejo. 

Além disso, tem capital declarado de R$ 90 mil – um valor bem abaixo dos contratos firmados com o estado. Só no Rio de Janeiro, o contrato assinado no fim do ano passado mostra o pedido de 43 produtos esportivos em nome da Secretaria Estadual de Esporte. Entre os produtos solicitados pela secretaria estão apitos, bambolês e bolas para diferentes esportes, com o valor total da compra chega a quase R$ 14 milhões.

Em São João del-Rei, só o montante em bolas profissionais de basquete, a compra é de R$ 87.604,00. E o preço dos produtos chama a atenção. A bola de basquete feminina é cotada a R$ 438,37 a unidade. Como foram pedidas 100 bolas, o município acertou a compra de mais de quase R$44 mil do produto.

É quase quatro vezes mais do que o valor pago por bolas com características semelhantes e de mesma marca em outra licitação no país, apontou o G1. A reportagem apontou que em uma unidade da Marinha, em Belém, no Pará, fechou contrato para a compra de 54 bolas de basquete feminino por R$ 90 cada, por exemplo.

Numa pesquisa em lojas de material esportivo na internet, os preços encontrados são bem mais baixos do que os R$ 438 pagos pela Secretaria de Educação. Uma bola, da mesma marca, com as mesmas características, pode ser encontrada por R$70. Nesse caso, o sobrepreço passaria de 500%.

Faça parte e ajude o Mais Vertentes

Precisamos de você para seguirmos independentes, investigativos e fortes. Ajude-nos com o jornalismo que nasceu para cutucar e mudar. Ou vai continuar lendo só o que “eles” querem que você saiba?  

Ajude aqui o Mais Vertentes!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias