Segunda, 27 de Junho de 2022

Muitas nuvens

São João del Rei - MG

Geral Brumadinho

Minas Gerais: Polícia Civil identifica mais uma vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho

Corpo identificado é do auxiliar de sondagem Olímpio Gomes Pinto, que tinha 56 anos. Ele deixou a mulher, com quem era casado havia mais de 30 anos, e três filhos

07/06/2022 às 16h02 Atualizada em 07/06/2022 às 19h58
Por: João P. Sacramento
Compartilhe:
Olímpio Gomes Pinto tinha 56 anos e é o 266º vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Foto: Internet / Reprodução
Olímpio Gomes Pinto tinha 56 anos e é o 266º vítima do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho. Foto: Internet / Reprodução

Nesta terça-feira (07), mais uma vítima do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, foi identificada. Trata-se de Olímpio Gomes Pinto, que tinha 56 anos, e trabalhava como auxiliar de sondagem, terceirizado da mineradora. Ele morava em Caeté, na Grande BH.

A informação foi confirmada pelo filho de Olímpio, o estudante Leo Johnes Gomes Pinto, 32, que recebeu a confirmação da Polícia Civil. Ele, a mãe e os dois irmãos vão ao IML de Belo Horizonte ainda nesta terça para pegar o laudo de identificação.

"A gente fica aliviado, é um alívio porque foram quase quatro anos de espera. É uma mistura de alívio e tristeza, mas é um ciclo que se acaba porque a gente vivia na expectativa", disse Leo Gomes.

Olímpio e mais quatro colegas de trabalho estavam no nono andar da barragem quando a estrutura se rompeu. Ele deixou a mulher, com quem era casado havia mais de 30 anos, e três filhos.

A Polícia Civil confirmou a identificação, que se deu por meio de exame de DNA. Seu corpo foi encontrado pelo Corpo de Bombeiros em abril deste ano. A Comissão dos Não Encontrados, que representa familiares de vítimas, postou uma mensagem com as "mais sinceras condolências aos familiares" da "jóia encontrada".

O rompimento da barragem, em 25 de janeiro de 2019, deixou 270 pessoas mortas. Quatro continuam desaparecidas após mais de três anos e quatro meses. São eles: Cristiane Antunes Campos, Maria de Lurdes da Costa Bueno, Nathalia de Oliveira Porto Araújo e Tiago Tadeu Mendes da Silva.

Faça parte e ajude o Mais Vertentes

Precisamos de você para seguirmos independentes, investigativos e fortes. Ajude-nos com o jornalismo que nasceu para cutucar e mudar. Ou vai continuar lendo só o que “eles” querem que você saiba?  

Ajude aqui o Mais Vertentes!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias