Sábado, 30 de Maio de 2020
32 999532355
Dólar comercial R$ 5,34 -0.847%
Euro R$ 5,93 -0.914%
Peso Argentino R$ 0,08 -1.391%
Bitcoin R$ 54.030,81 +1.545%
Bovespa 87.402,59 pontos +0.52%
Economia Seu bolso

Preço nas alturas: reflexo da pandemia, o valor da cesta básica em SJDR ficou 6,24% mais cara

Alta nos preços dos alimentos compromete orçamento familiar em São João del-Rei, durante a pandemia da COVID-19

29/04/2020 12h34 Atualizada há 1 mês
346
Por: Adriano Vianini
Foto: Mais Vertentes
Foto: Mais Vertentes

Os preços do feijão, arroz, leite, ovos, frutas, verduras e legumes dispararam na região do Campo das Vertentes nos últimos dias. Diversos consumidores São-Joanenses têm reclamado, com razão, da alta repentina do preço nos principais mercados da cidade.

A dona de casa, Maria da Conceição, teve um susto quando chegou ao supermercado e constatou o aumento no preço de vários produtos em menos de uma semana: “Os ovos, que antes estavam por volta de R$ 12, agora estão custando R$ 15 (o pente)”.

Já o aposentado, Marco Antônio de Souza, reclama da disparada da caixinha de leite: “Foi de R$ 2,80, R$ 2,85 para mais de R$ 3,10. Isso em menos de sete dias”.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação, ficou em 0,02% no mês de março. Mas o indicador, embora divulgado em março, foi fechado antes de governadores e prefeitos de todo país imporem limitação no comércio e na indústria. No entanto, em menos de uma semana, o preço de produtos disparou. Muitos em dois dígitos, caso da cenoura (36%), leite (45%), arroz (23%) e feijão (56%). 

O motivo, segundo especialistas, é um efeito em cascata relacionado ao novo coronavírus, causador da Covid-19. Vai desde a dificuldade do produtor em levar as mercadorias aos grandes centros urbanos, devido a fechamento de acesso em alguns municípios, ao crescimento da demanda nas gôndolas, reflexo do receio de boa parte da população pelo risco de desabastecimento.

Em São João del-Rei, a população também já sente os reflexos econômicos da pandemia da Covid-19 sobre os preços dos alimentos. Dados da Pesquisa Mensal da Cesta Básica (PMCB-NEPE), realizada pelo Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de São João del-Rei, mostram que, no mês de abril de 2020, o valor da cesta básica no município ficou 6,24% mais cara, em relação ao mês anterior. No acumulado dos últimos dois meses, que engloba o período de quarentena na cidade, a alta é de 7,60%, e os itens que mais contribuíram para a elevação dos preços foram o feijão carioca (47%) e a batata (45%). Além desses produtos, outros que estão presentes no consumo da maioria das famílias também seguem tendência de alta, como o arroz, a carne bovina e o açúcar, cujos aumentos foram de 7,12%, 6,48% e 8,64%, respectivamente. Com isso, o custo total médio da cesta básica para uma pessoa adulta no município passou de R$410,04, em março, para R$435,60, em abril.

Como resultado, a elevação nos preços dos produtos alimentares impacta os níveis de renda e bem-estar e, por consequência, o padrão alimentar e nutricional da população. A pandemia da Covid-19 lança novos desafios para os formuladores de políticas públicas, sobretudo aquelas relacionadas à garantia ao acesso alimentar básico e manutenção do bem- estar e do poder de compra. Esse efeito é mais evidente, sobretudo, para a parcela mais vulnerável da população, uma vez que quanto menor a renda das famílias, maior é a parcela dos gastos com alimentos em suas despesas totais, e maior é o impacto da elevação dos preços sobre o bem-estar.

Segundo os professores Douglas Marcos Ferreira e Gustavo Moreira, do Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de São João del-Rei, "um primeiro efeito perceptível é o da redução da renda. Estabelecimentos comerciais fechados comprometem a geração de caixa, desdobrando em dificuldades sobre a capacidade de pagamento dos empregados e afetando o nível de empregos. A menor circulação de pessoas também influencia diretamente a renda dos profissionais do setor de serviços: restaurantes, salões de beleza, academias, oficinas especializadas, transporte, turismo, são apenas alguns dos muitos setores afetados pelas medidas de combate ao contágio". 

No caso dos ovos reclamados pela Maria da Conceição, o preço comum da caixa com 30 dúzias passou de R$ 120 para R$ 130. O quilo do tomate longa vida foi de R$ 1,50 para R$ 1,75. O da cenoura, de R$ 2,75 para R$ 3,75.

Para os professores, "em decorrência da queda inesperada da renda, o consumo das famílias tende a cair e a ser alocado de maneira diferente, priorizando aqueles produtos de necessidades essenciais, especificamente relacionados à alimentação básica. Essa maior procura por produtos básicos, por sua vez, provoca um segundo efeito econômico, relacionado à alta nos preços dos alimentos. Contribuindo para tal alta, tem-se, também, a desvalorização da moeda nacional, que encarece os insumos e os alimentos oriundos de parceiros comerciais fora do país". 

Procon de São João del-Rei

O Procon de São João del-Rei tem sido constantemente acionado. Porém, segundo a entidade, "os comerciantes só estão repassando ao consumidor final a alta promovida pelos fornecedores".  

 

Contribuição: Núcleo de Ensino Pesquisa e Extensão em Economia, Departamento de Ciências Econômicas da Universidade Federal de São João del-Rei. Professores Douglas Ferreira e Gustavo Moreira.

 

#economia #altadosprecos #saojoaodelrei #noticiasdesaojoaodelrei #campodasvertentes #minasgerais

 

São João del Rei - MG

São João del Rei - Minas Gerais

Sobre o município
Notícias de São João del Rei - MG
Anúncio
São João del Rei - MG
Atualizado às 13h56 - Fonte: Climatempo
19°
Poucas nuvens

Mín. Máx. 20°

19° Sensação
13 km/h Vento
37.3% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (31/05)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 10° Máx. 21°

Sol com algumas nuvens
Segunda (01/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 11° Máx. 22°

Sol com algumas nuvens
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias